03/04/09

Por onde anda o nosso coração quando tudo se confunde?
Que faremos quando se ressuscita menos do que se morre e que diremos, frente ao espelho, ao nosso olhar impenitente, à nossa vontade de desistir?
Que palavras escolheremos para dizer no nosso último sopro de vida, ou de que silêncio faremos nós palavras?
Por onde vagueia o nosso coração intranquilo?
Escreveremos vagarosa e indignamente o nosso obituário, letra a letra, dia após dia.

11 comentários:

Banalidades disse...

Que dizemos? Apenas desespero... Quem sabe o nada! Angústia terrível de ver o fim de tudo ...
Gostei muito deste seu texto e peço desculpa pela minha intromissão.

* hemisfério norte disse...

farei nós
das palavras

brotarão em silêncio
através do meu olhar

até ao fim
até

bj
ana

Lídia Lopes disse...

Gostei muito, como sempre. E faltam-me mais palavras...

Marta disse...

íssimo. muito. tanto.

Lyra disse...

Olá, venho desejar uma Boa Páscoa, replecta de amêndoas e boa disposição.

Beijinhos e até breve.

Lyra
;O)

Graça Pires disse...

"Por onde vagueia o nosso coração intranquilo?" Um texto muito reflexivo, amigo.
Uma excelente Páscoa para si. Um abraço.

Arabica disse...

Um dia diremos.


Talvez em gesto.


Um beijo, bom fm de semana!

Sophia disse...

Obrigado pela sua visita ao meu blog das Encruzilhadas da Vida! Também gostei muito do que li no seu. Voltarei;-)

Luísa disse...

obituário que ninguém nos escreverá.
talvez nos reste esperar ser recordados. ainda que tenuemente.
*

~pi disse...

totalmente

na-da

( se possível

abraçar

fora das

palavras

das suas

misteriosas

perversas

opacas

indecifráveis

cruzes




x






vo ~ ar

Claudia Sousa Dias disse...

eu não sei. sei que houve um papa no século XIX, agora não te sei dizer qual foi que quis morrer a ouvir o 2º andamento da sétima sinfonia de Beethoven.

verdadeiramente sublime.

a escolha não poderia ter sido melhor que adormecer para a eternidade ao som de uma melodia imortal de tão bela.

csd