22/09/07

Não me entregues a alma,
Tu a dor,
Eu o ópio nas veias,
Tuas e minhas.
Não te entrego a minha
Para que a nós não nos envolva o vício,
Teu e meu,
Como um sono informe e incolor,
Como um torpor,
Uma quase morte consentida.
Talvez mereçamos mais,
Tu e eu,
Talvez o amor.

18 comentários:

J. disse...

Magnífico. Um dia alguém muito especial disse-me que escrever é tão só pensar. Parabéns, pensas muito bem. J.

mafalda disse...

Muito bonito, Baudolino.

Um beijo.

inocência perdida disse...

"Talvez mereçamos mais,
Tu e eu,
Talvez o amor."

É dificil sentir assim...

Joaninha disse...

Ao fim de um mês de ausência, é sem dúvida um excelente regresso.

cljp disse...

... o ópio...
http://comomorfina.blogspot.com

filipelamas disse...

Sim, talvez se mereça mais!
Abraço

un dress disse...

merecemos mais todos...

...e cada dois.





beijO

rtp disse...

Muito, muito belo!
Que gosto que é (sempre) lê-lo!

rui disse...

Olá Baudolino

Poesia cheia de sentir.
Pega-nos por dentro.


Abraço

Lídia disse...

Muito bonito. Parabéns! É um prazer vir aqui e pensar.
Um abraço

Blas Torillo disse...

Bau... Hola. Gracias por ir.

Y la pregunta que me queda de tu poema es: El vicio es el amor o el vicio es ella?

Me gustó mucho tu escrito, para no variar.

Salu2.

Rhiannon disse...

Muito bonito.
Não entregar a alma para poder alcançar o amor...

PoesiaMGD disse...

Toda a gente merece o amor... toda...
Um abraço

xana disse...

gostei muito baudolino!bom regresso :)mas confesso que ainda me detive no «Efeitos colaterais do Muro: onde a Friedrichstraβe e a Schützenstraβe se cruzam.»
é, sem dúvia, o texto que prefiro. gosto muito de passar por cá. e obrigada por ainda te lembrares da fotografia :)

luísa disse...

"talvez o amor"
(talvez ao descobrir o que é, a voz deixe de decantar palavras. porque a perfeição é demasiada) *

APC disse...

Para que a nós não nos envolva o vício,
Como um sono informe e incolor,
Como um torpor,
Uma quase morte consentida.


A verdadeira resistência que nos é pedida hoje. Em prol de mais. Em nome de um amor maior.

Muito bonito! :-)

K disse...

Todo o amor nasce da incerteza das cinzas que ficam depois do fogo da paixão...

mnemosyne disse...

Sentir de perto a letra e a boca...intenso!!
Beijo