20/09/08

Sei que hoje é o teu dia. Urdiste com paciência o teu plano e vais evadir-te sem qualquer hesitação, sem remorso algum. Ainda te lembras daquilo que me disseste no dia em que decidiste sair? "Olhei para o espelho e vi outra vez o mesmo eu de sempre, o de há anos, o de ontem. Decidi que não será o de amanhã. A vida é curta demais: inspiras, expiras, suspiras e já passou mais de metade. Os gatos têm sete vidas porque correm riscos, talvez, porque se superam em cada muro que deixam para trás, em cada telhado que conquistam, talvez. Não quero sete, mas esta, a que me trouxe até este hoje, a que me adormeceu na vertigem do tempo, esta não será a última." Um abraço.

5 comentários:

Lyra disse...

Lamentavelmente não me tem sido possível visitar este blog com tanta assiduidade quanta ele merece e que eu gostaria.
Fica, no entanto, a promessa de um regresso em breve para uma leitura pormenorizada.

Até lá ficam os desejos de tudo de bom e um excelente fim de semana.
Beijinhos e até breve.

;O)

P. S. - Nunca me esqueço de ti!

Blas Torillo disse...

La vida es corta en efecto, querido amigo. Y tampoco sé si quiero ser como los gatos.

Siete vidas quizá sean demasiado.

Un abrazo. Cuídate.

x disse...

brilhante*

Fernando Pinto disse...

(...) a vida é curta demais: inspiras, expiras, suspiras e já passou mais de metade.

Gosto da sua escrita, muito mesmo!
Abraço do meu Labirinto de Olhares

Claudia Sousa Dias disse...

é o que todos desejamos, Bau...

beijinho


CSd