23/07/07

Leva-me onde saibas que me encontras.
Diz-me que me levante,
Que ande,
Que estou vivo.
Dá-me uma mão, a tua.
Diz-me que confie,
Que o que não vale a pena
Não merece que se perca a vida nele.
Dá-me da tua água.
Diz-me que não mais terei sede,
Que não mais terei aquele calor que tudo queima.
Leva-me ao cimo da colina.
Ainda que seja uma pequena colina
Na imensidão da planície devorada pelo sol e pela vida.
Sabes que estou lá.
Que sempre estive, ali,
Onde mil palavras valem todas as imagens,
Mil, se quiseres. As tuas.

14 comentários:

moonlover disse...

Lindo!


acho que todos sonhamos com este momento,

em que alguem nos dá a mão e que podemos confiar assim como descreves!

parabens,
um beijo
moon

turbolenta disse...

LINDO!
Gostei sobretudo da parte final:
"Onde mil palavras valem todas as imagens,
Mil, se quiseres. As tuas."
boa semana

S. disse...

E pensar que há alguém que pode, num segundo, com uma palavra, parar a tempestade.

Graça Pires disse...

"Diz-me que não mais terei sede" Se as palavras bastassem... Belo poema. Um abraço.

Rhiannon disse...

"Guarda-me um segredo" e "leva-me onde saibas que me encontras". "Diz-me que confie"...

Bonito.

CNS disse...

Não são mil, estas tuas, mas valem decerto todas as imagens. Belo.

verde disse...

Lindíssimo baudolino. e cheio de esperança. gostei muito!

Lana disse...

Baudolino
isso não vale, estive a ler os post que me faltavam desde o ultimo que comentei e tenho lágrimas nos olhos ... bolas! tou maquilhada mas a tua alma fez-me borrar a pintura ... o meu coração bater mais do que o normal e considerar que és mesmo um must como aliás tenho mtas vezes dito !!
termos impacto nos outros é uma estranha forma de vida como diz o poema ...

olha outra coisa ... tenho seguido com muito interesse a saga Bau-Kim e então em que ficamos?
já se conhecem?
é absolutamente lindo quando vemos ao vivo as pessoas com quem partilhamos a nossa alma via net não é?
ficamos desconcertados, embaraçados, divertidos, envergonhados, timidos, e juntamos isto tudo no mesmo sorriso desajeitado ... é ou não é?
1 sorriso mto luminoso e obg!
Lana

Luiz Carlos Reis disse...

Gostei!

A sinergia das palvras num momento de cumplicidade afetiva. Perfeito!


Grande abraço e boa semana!

Blas Torillo disse...

Ella sabe que estás y que siempre has estado.

Como lo sabe la "ella" de cada quien.

O al menos, como debería saberlo.

Un abrazo Bau.

un dress disse...

também ando a ver se não morro de sede.


...acredito que não...




beijO

un dress disse...

também ando a ver se não morro de sede.


...acredito que não...




beijO

Subterranian \ Ultravioleta disse...

A intensidade do poema é perturbante, no bom sentido. A postura de "pedinte" é algo familiar.

# disse...

Vem sentar-te comigo, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.(Enlaçemos as mãos).

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para o pé do Fado, Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente. E sem desassossegos grandes.


Fernando Pessoa