28/05/08

Pedes esmola, sentada ao colo do teu pai e nos seus olhos vazios temo ver os teus, só não sei quando. Ele, o teu pai, sentado no chão e tu sentada no ninho que as pernas dele fazem. Sorris a troco de uns trocos. Sorris e serias feliz se não te fosse impossível.
Vi-te ontem a tocar uma concertina à beira de um rio, à espera que te dessem uns trocos em troca do requiem resignado que à tua volta vais entretecendo enquanto as tuas costas curvadas e os teus olhos negros, enormes pediriam para seres criança, se tivesses alguma vez sabido o que isso é. Mas não sabes. Nasceste com a amargura no rosto, a concertina na mão e eras um homem.
O que será de ti que sorris ao colo do teu pai com os teus cabelos de ouro?
O que será de ti que tocas sozinho, ou do teu irmão, na outra margem, com outra concertina e os mesmos olhos?
O que será de ti daqui a cinco, daqui a dez, daqui a vinte anos, se ainda por aqui estiveres?
Continuaremos a cruzar-nos, todos impotentes, todos com as mesmas moedas no bolso, as que te matarão a fome e as que não me fazem falta, as que me sobram e te dou para poder dormir melhor?
Não te servirá de consolo mas deixa-me que te diga que não te esquecerei e que falarei de ti aos meus filhos, quando os tiver ao colo, para que saibam que há quem tenha de sorrir e tocar concertina no chão frio e sujo da rua sem perguntar porquê.
Nessa noite, dormiremos pior. Onde estarás?

(Varsóvia, 28 maio 2008; evocando Berlin, 5 agosto 2008)

15 comentários:

rtp disse...

Parabéns, mais uma vez!
Muito sentidamente belo!

JRL disse...

tu? tu emocionas-me profundamente.

Rui disse...

Possivelmente a dar colo a uma criança como aquela que (não) foi, um dia..

scaramouche disse...

muito forte.
as tuas palavras sentem-se e vêem-se.
abraço.
scaramouche.

Lyra disse...

Espaços que se cruzam,
palavras que se encaixam,
sorrisos imaginários que se entrelaçam,
confidências que se armazenam.
Assim nascem as amizades virtuais...

Obrigada pela tua!

Adoro ler tudo o que escreves!

Beijinhos e até breve.

;O)

un dress disse...

acolo-te nas palavras

cor do ouro:

na

re.torcida dúvida

dita






~






beijO

~pi disse...

tanto

em balo no peito na

garganta ***

[ tanto em bargo...

Luís Galego disse...

sem palavras....porque às vezes a voz se embarga...

Lyra disse...

Peço desculpa pela minha ausência...mas às vezes a vida dá voltas inesperadas e o chão parece que nos foge... Torna-se necessário “recolhermo-nos” um pouco, fugir do mundo e fazer uma introspecção profunda. É isso que tenho feito e por isso não te tenho vindo visitar...

A verdade é que me sinto no meio das trevas, onde sorrio à vida, como se conhecesse a fórmula mágica que transforma o mal e a tristeza em claridade e em felicidade. Então, procuro uma razão para esta alegria, não a acho e não posso deixar de rir de mim mesma. Creio que a própria vida é o único segredo...

Quando estiver mais...animada...voltarei aqui...

Beijinhos e desculpa

filipelamas disse...

Que saudades de Varsóvia e de Berlim! E da escrita sempre pungente!

Lana disse...

uiii
como sempre excelente
boa semana
1 sorriso luminoso
Lana

x disse...

as tuas palavras tocam-me profundamente... e quando acho que já conheço quase todos os cantinhos da tua escrita. venho aqui e surpreendes-me. venho aqui e durmo melhor. é por as palavras que se começa a mudar o mundo, e por os actos que se continua.

K disse...

Sentimento sentido. Hoje em dia de chuva...Como sempre

Abraço

nana disse...

ainda serás?




..

Claudia Sousa Dias disse...

indiferença.

o cinismo das insitituições.

Que faz o estado?

Cabe-nos a nós denunciar estas sdituações à Comissão de Protecção de Menores. ao Instituto de Apoio à Crinça. Fazer pressão.

Dar esmola...nunca.


CSD